logo

terça-feira, 23 de maio de 2017

[saúde] Crianças com menos de 1 ano não devem beber suco, recomenda entidade

Você oferece suco ao seu bebê? Dependendo da idade da criança, talvez não seja o ideal. De acordo com uma nova recomendação da Sociedade Americana de Pediatria (AAP, na sigla em inglês), nos Estados Unidos, divulgada nesta segunda-feira, a bebida não é indicada para crianças em seu primeiro ano de vida, mesmo se preparada naturalmente.

Segundo o relatório, publicado no periódico científico Pediatrics, o suco não é considerado saudável por não ser equivalente ao consumo da fruta integral. Além disso, a bebida pode causar danos à saúde da criança, como o estímulo ao consumo exagerado de açúcar e produtos industrializados.

Novas recomendações

As recomendações, atualizadas pela primeira vez desde 2001, sugerem que crianças comecem a beber suco de fruta apenas a partir de um ano de idade, em quantidades restritas a 113 gramas por dia para crianças com idade de um a três anos e até 170 gramas diários entre quatro e seis anos.

A preocupação é que, ainda bebês, o suco, que não oferece benefícios nutricionais, substitua alimentos realmente necessários, como leite materno ou fórmula e suas proteínas, gorduras e minerais, como o cálcio.

Não existem evidências sobre os efeitos do consumo modesto de suco e a obesidade infantil. Ainda assim, segundo o relatório, a ingestão de sucos não apresentam nenhum papel essencial na saúde e dieta balanceada das crianças. Outra preocupação relacionada a introdução precoce ao suco é que ela pode ser uma porta de entrada para outras bebidas menos saudáveis. “Temos outros estudos que mostraram que aqueles que mais beberam sucos durante a infância, em vez de comerem frutas, têm maior tendência a consumir refrigerantes e bebidas muito açucaradas”, explicou Elsie Taveras, chefe de pediatria do Hospital MassGeneral for Children, em Boston. Os especialistas ainda advertem que beber muito suco na infância pode, até mesmo, prejudicar o crescimento da criança.

Fruta vs suco

A fruta in natura possui mais fibras e menos açúcares do que seu suco, portanto há menos probabilidade de prejudicar a saúde dos dentes. Além disso, a quantidade de fibras ajuda a aumentar a sensação de saciedade do alimento. “Precisamos ensinar as crianças a comerem alimentos frescos. Se você assumir que o suco é igual a fruta, então você não irá passar a mensagem certa”, disse Steven Abrams, principal autor do artigo e professor de pediatria na Universidade do Texas, nos Estados Unidos, ao jornal americano The New York Times.

Devido a quantidade de açúcares e calorias, sucos industrializados, mesmo que indicados para crianças, são bastante similares a refrigerantes. Por exemplo, 113 gramas de suco de maçã tem 60 calorias, 13 gramas de açúcar e nenhuma fibra. Enquanto isso, 113 gramas de refrigerante de limão têm 12,6 gramas de açúcar e 46 calorias, quantidades pouco menores do que o suco de maçã.

Por outro lado, meio copo de fatias de maçã tem 1,5 gramas de fibras, 30 calorias e 5,5 gramas de açúcar. “Sucos devem ser oferecidos apenas em ocasiões especiais e com recomendações do médico, especialmente quando se trata de crianças com alto risco para problemas dentários”, explicou Man Wai Ng, dentista chefe no Boston Children’s Hospital.
Fonte: Veja

[política] Defesa de Aécio recorre ao STF para retomar mandato

A defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG) recorreu hoje (23) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para revogar a decisão que afastou o parlamentar das atividades legislativas. Na semana passada, ao atender a um pedido cautelar da Procuradoria-Geral da República (PGR), o ministro do STF Edson Fachin decidiu afastar Aécio das funções parlamentares após o senador ter sido gravado em uma conversa com o empresário Joesley Batista.

No recurso, além de pedir que Aécio Neves retome o mandato, os advogados sustentam que a investigação não deve permanecer com Edson Fachin e que a decisão do ministro não poderia ser tomada individualmente, mas pela Segunda Turma do STF.

“Com todo o respeito, num cenário tal, é absolutamente temerário aplicar a um senador da República medida dessa gravidade e violência, que o retira do cargo para o qual – insista-se – foi eleito pelo povo, especialmente porque, rememoremos, não há expressa autorização legal e constitucional para medida dessa natureza que, ao fim e ao cabo, revolve princípios básicos de separação de poderes”, diz a defesa.

De acordo com as investigações, baseadas nas delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, Aécio recebeu R$ 2 milhões em propina. Na semana passada, após Aécio Neves ser afastado do cargo pelo ministro, a assessoria do parlamentar afirmou que ele está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. "No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público". A defesa do senador informou que sua intenção era vender a Joesley  um imóvel para pagar a dívida.

[política] Justiça bloqueia R$ 155 milhões de envolvidos em superfaturamentos no DF

O juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), autorizou o bloqueio de bens dos ex-governadores do Distrito Federal José Roberto Arruda e Agnelo Queiroz, do ex-vice-governador na gestão de Agnelo, Tadeu Filippelli, e de mais sete pessoas, entre elas o dono da construtora Via Engenharia, Fernando Márcio Queiroz. Além das contas pessoais, a decisão também afeta os bens e ativos da construtora, que teve R$ 100 milhões bloqueados.

Arruda, Agnelo, Filippelli, Queiroz e mais seis pessoas foram alvo de dez mandados de prisão temporária expedidos pela Justiça Federal, durante a Operação Panatenaico, um desdobramento da Operação Lava Jato. Todas são investigadas por supostas irregularidades na contratação de obras públicas como a reforma do Estádio Mané Garrincha, um dos palcos da Copa do Mundo de 2014, e suspeitas de fraudar as licitações relativas às obras de implementação do Sistema BRT Sul (obra de mobilidade urbana custeada com recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento - PAC) e os serviços urbanísticos no entorno do Estádio Mané Garrincha.

Segundo o juiz federal, há indícios, incluindo o balanço patrimonial da empresa pública Terracap, de que só a reconstrução do Mané Garrincha causou um prejuízo de R$ 1,3 bilhão aos cofres públicos.

Arruda, Agnelo e Márcio Queiroz tiveram R$ 10 milhões bloqueados, cada um. Do patrimônio do ex-vice-governador (e assessor especial do Palácio do Planalto exonerado logo após ser preso, esta manhã) Tadeu Filippelli, o juiz tornou indisponíveis R$ 6 milhões. Também foram bloqueados mais R$ 19,1 milhões de mais seis investigados, além dos R$ 100 milhões da Via Engenharia.

[política] Defesa de Loures entrega à Polícia Federal mala com R$ 465 mil

A defesa do deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) entregou ontem (22) à Polícia Federal (PF) em São Paulo uma mala com R$ 465 mil. Em abril, Loures foi filmado pela PF recebendo a mala, que continha R$ 500 mil, segundo as investigações, e foi enviada pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS. No documento em que atestou a apreensão, os policiais contaram 9.300 notas de R$ 50.

Os documentos que comprovam a entrega foram enviados nesta manhã ao gabinete do ministro Edson Fachin, que, na semana passada, determinou o afastamento de Rocha Loures do mandato após pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). Os advogados não se manifestaram sobre a falta de R$ 35 mil.

Pela denúncia, aparece ainda em uma das conversas gravadas com Ricardo Saud, ex-diretor de Relações Instituições da J&F, concordando em apresentar uma prévia do relatório da Medida Provisória do Refis, que ainda não era público. Na conversa, os dois falam sobre esconder o que a JBS queria no texto incluindo os pontos como sugestão da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC). 

Posteriormente, Rocha Loures foi filmado recebendo R$ 500 mil enviados por Joesley Batista. Loures é apontado como intermediário do presidente Michel Temer para assuntos do grupo J&F com o governo, de acordo com denúncia do Ministério Público Federal (MPF) com base em áudio de conversa gravada por Joesley.

[política] Eleição para prefeitos poderá acontecer em 2018

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou nesta quarta-feira a unificação das eleições gerais e municipais, que atualmente ocorrem em períodos diferentes –com dois anos de diferença. A comissão ainda decidiu manter a reeleição no país, assim como os mandatos de quatro anos para os cargos eletivos.

Pela proposta do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), as eleições serão unidas no ano de 2018. Em 2016, os prefeitos eleitos terão mandato de apenas dois anos para que, em 2018, haja a coincidência das eleições.

A comissão aprovou ainda a mudança na data da posse do presidente da República, governadores e prefeitos. Todos atualmente são empossados no dia 1º. de janeiro. A proposta aprovada institui as posses dos prefeitos no dia 5 de janeiro, dos governadores no dia 10 de janeiro e do presidente da República no dia 15 de janeiro.

“A data de 1º de janeiro tem inconvenientes que recomendam a sua modificação, a começar pelo fato de que o primeiro dia do ano é reconhecido como data que não estimula, mas, antes, inibe a participação de chefes de Estado e outras autoridades representativas dos diversos países”, afirmou Renan.

As propostas são contrárias às aprovadas pela Comissão Especial do Senado que discutiu a reforma política. A comissão havia aprovado o fim da reeleição e o aumento dos mandatos eletivos para cinco anos. Na CCJ, apenas quatro senadores votaram a favor do fim da reeleição e ampliação dos mandatos.

[política] Prefeita de cidade na Argentina é denunciada por corrupção pelo próprio pai

Verónica Morales, prefeita da cidade de San Cosme, no norte da Argentina, foi denunciada por seu pai, vereador do município, por supostamente ficar com fundos públicos destinados a obras que não saíram do papel.

O insólito caso gerou uma multidão de comentários na imprensa e nas redes sociais depois que os meios de comunicação locais divulgaram a denúncia feita por Eduardo Morales, cuja ex-mulher e mãe da acusada também foi prefeita da mesma cidade - de cerca de 6.500 habitantes - e outra de suas filhas, vereadora.

"Sabia que meu pai é instável, bipolar. Mas que tenha feito uma coisa assim, ainda mais sabendo que eu tenho como provar que tudo isso é mentira, me surpreende", declarou a prefeita à imprensa local.

Morales, que foi eleito vereador em 2015, mas ainda não assumiu, acusou sua filha de ser responsável pela falta de obras que foram cobradas com certificados presumivelmente adulterados e de ficar com o dinheiro destinado pelo Estado para sua realização.

"Fez isso em conivência com os vereadores atuais. Por isso não me deixam assumir, porque têm problemas. Se chego ao Conselho Deliberativo vão ter problemas a cada minuto. Porque sou uma pedra no sapato", disse Morales à emissora de televisão "Todo Notícias".

Morales citou como exemplo o fato de que chegaram 325.000 pesos (cerca de R$ 60 mil) para a compra de uma caminhonete para os bombeiros, "mas não existe corpo de bombeiros em San Cosme".

"Acredito que o que está buscando é desprestigiar a gestão, mas não vai conseguir porque tenho as contas em dia. Estou muito tranquila", garantiu a prefeita da cidade, situada na província de Corrientes, no norte da Argentina.

Segundo explicou o próprio, Eduardo Morales está separado de sua família por "uma manobra maligna" que, em sua opinião, fizeram contra ele.

"Ela (Verónica) e a mãe me deixaram na rua", acrescentou Morales, que acusou sua filha e sua ex-mulher de desvinculá-lo da construtora familiar.

"A construtora é minha. Jamais teve nenhuma empresa. Nunca foi deixado de fora de nada porque nunca teve nada", esclareceu Verónica Morales, que salientou que seu pai tinha "uma vida paralela" e estava "dando um calote" para construir a casa "de sua amante".

Consultada pelo paradoxo de que tantos membros da família tenham ou tenham tido cargos no governo local, a atual prefeita especificou que não se trata de postos hereditários.

"Todos nos expomos à vontade popular para chegar ao cargo", argumentou.

[cotidiano] Polícia espanhola prende Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona

A polícia espanhola prendeu o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, nas primeiras horas desta terça-feira (23). Os policiais fazem buscas e apreensões em endereços em Barcelona e outras duas cidades da região.

De acordo com o jornal El País, o centro da investigação é o contrato que Rosell manteve com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

A imprensa espanhola indica que buscas também poderiam estariam acontecendo no Brasil, relacionadas ao ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

Apelidada de "Operação Jules Rimet", a iniciativa ocorre após investigações de lavagem de dinheiro por parte do ex-cartola.

Rosell estava sendo investigado nos EUA por seu envolvimento com contratos da Nike e a CBF. O FBI investiga o desvio de cerca de US$ 15 milhões para contas secretas de Ricardo Teixeira, presidente da entidade brasileira naquele momento.

A operação, segundo a imprensa espanhola, está sendo conduzida depois de investigações por parte da Unidade de Delinquência Econômica e Fiscal da Polícia Nacional e em colaboração com o FBI, nos EUA, que já indiciou Teixeira.

Investigações nos EUA deram os primeiros indícios de movimentações de contas na Espanha. Tais dados abriram caminho para a descoberta de uma rede desenhada por Rosell para ocultar dinheiro.

A Justiça já bloqueou cerca de 10 milhões de euros em contas, além de cerca de 50 imóveis, avaliados em mais de 25 milhões de euros.

[segurança] Homem detonou bomba caseira em Manchester e matou 22 pessoas

A polícia de Manchester informou, na madrugada desta terça-feira (23), que a explosão que matou 22 e feriu 59 na segunda (22), após show da cantora americana Ariana Grande em Manchester, no Reino Unido, foi provocada por um suicida. O homem detonou uma bomba caseira, diz a polícia.

Não há, porém, mais informações sobre o homem-bomba. O agente policial informou que há uma investigação em curso para identificar o responsável pelo ataque e para descobrir se ele agiu sozinho ou como parte de uma rede terrorista.

Hopkins confirmou que o homem morreu na detonação da explosão, mas não explicou se ele está incluindo entre os 22 mortos anunciados.

[política] Eduardo Cunha resolve fazer delação premiada

O jornalista Ricardo Noblat destacou ontem a noite que o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha vai fazer delação premiada.

Se confirmando a delação do “homem bomba”, não vai sobrar nenhuma das principais cabeças do PMDB.

[justiça] JBS pode ter traçado meticulosamente saída do País

O presidente da J&F e da JBS, Joesley Batista, está sob suspeita de haver preparado meticulosamente sua saída do País, por isso se articula na Câmara a criação de uma CPI para investigar o esquema. Ao vazar a delação, o grupo já havia reduzido o Brasil a apenas 20% de operação, concentrando 70% de tudo nos Estados Unidos, a nova pátria dos delatores. O País que financiou o grupo virou “passado”.

Financiado pelo BNDES nos governos Lula e Dilma, o grupo J&F/JBS saltou seu faturamento dos R$4 bilhões em 2007 para R$170 bilhões.

Antes da delação, o “americanófilo” Joesley já vivia a maior parte do tempo nos EUA. Mas precisava se livrar das investigações no Brasil.

Com o esperto acordo de delação, os controladores da J&F/JBS se livraram de pelo menos 5 operações/ações penais muito cabeludas.

Os delatores também deixam para trás dívida de R$1,8 bilhão junto ao INSS e a devolução dos quase R$13 bilhões que tomaram do BNDES.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

[cotidiano] Conheça as candidatas ao Miss RN 2017, que será realizado nesta terça





[oportunidade] Petrobras anuncia 14 vagas para o Programa de Estágio de Estudante no RN

A Petrobras abrirá no dia 25 de maio as inscrições para o Programa de Estágio de Estudante 2017. Serão 14 vagas para as cidades de Alto do Rodrigues, Mossoró e Natal, sendo três para nível técnico e 11 para nível superior. As outras são para cadastro de reserva.

Segundo a empresa, as bolsas irão variar entre R$ 563,63 e R$ 1.646,56. A seleção e o recrutamento serão executados em conjunto com o Centro de Integração Empresa Escola (CIEE). O prazo final para a inscrição é 6 de junho.

Todos os candidatos serão submetidos a uma prova online de conhecimentos, composta por 45 questões objetivas, sendo 15 de Língua Portuguesa, 15 de Raciocínio Lógico e 15 de Conhecimentos Gerais.

Serão cadastrados os candidatos aprovados dentro das classificações abrangidas por até dez vezes o número de oportunidades de estágio oferecidas por localidade e formação.

Ainda de acordo com a Petrobras, a carga horária poderá ser de 20 ou 30 horas semanais. A empresa também fornecerá transporte diário e auxílio alimentação no valor de R$ 550,70, caso não haja restaurante nas instalações da unidade.

As inscrições, assim como a divulgação dos resultados finais, ocorrerão por meio do site da Petrobras e do CIEE.

[segurança] Associação de Cabos e Soldados da PM do RN é arrombada; três computadores são furtados

A Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar do Rio Grande do Norte foi arrombada e computadores furtados. Presidente da entidade, o cabo Roberto Campos disse que o crime aconteceu na noite do sábado (20), mas só foi percebido na manhã desta segunda-feira (22) quando os funcionários chegaram para trabalhar.

Três computadores e as baterias dos alarmes foram levados. Os criminosos também viraram as câmeras de segurança para a parede e desligaram a cerca elétrica do local.

[política] “O fenômeno Bolsonaro”, com Roberto Cabrini, no SBT, tem grande repercussão


Programa exibido entre o fim da noite desse domingo(21) e início da madrugada desta segunda-feira(22) teve grande repercussão, e apresentou um pré-candidato seguro quanto as suas convicções, e sem papas na língua.

No conturbado cenário político brasileiro, surge um nome que muitos chamam de aventura irresponsável, outros de solução extrema. Roberto Cabrini acompanha de perto, durante semanas, as andanças do deputado Jair Bolsonaro, Brasil afora. Em três estados e no Distrito Federal, o registro de uma saga.

O programa mostra as opiniões contundentes e o desejo de ser presidente da República de um homem polêmico, adorado e odiado. O telespectador vai conhecer os segredos do capitão, as conquistas e barreiras, os ataques e as defesas. Cabrini faz revelações sobre o homem e questionamentos sobre o político, propondo a ele as mais duras questões.

[cotidiano] Problemas infraestruturais incomodam população de Apodi


Os problemas infraestruturais do Calçadão da Lagoa de Apodi, ponto turístico da cidade, está provocando insatisfações e incomodando a população que necessita transitar pela via. O ponto principal deste fato é atribuído a rua que dá acesso a Feira Livre.

A danificação dos bueiros são obras que estão paradas a semanas, o que impede o tráfego de veículo de 4 rodas. Alguns consertos já foram feitos, mais votaram a ser danificados por veículos de grande porte.

O governo municipal declarou que em breve estará fazendo a manutenção do bueiro e demais que estiverem prejudicando a população.

[política] Prefeitura de Felipe Guerra licita empresa em combustível por R$ 1,3 milhão

A prefeitura de Felipe Guerra divulgou a empresa vencedora do pregão N° 012/2017, referente ao registro de preço para eventuais aquisições de combustíveis e lubrificantes. O valor contratual é de R$ 1.381.150,84 (um milhão trezentos e oitenta e um mil cento e cinquenta reais e oitenta e quatro centavos).

A empresa vencedora foi a AUTO POSTO AMORIM LTDA - EPP - CNPJ: 09.501.742/0001-75.

O contrato terá validade de um ano.

[política] Vice prefeita de Apodi é exonerada do cargo de Chefe de Gabinete

Na manhã de hoje (22) o prefeito de Apodi, Alan Silveira (PMDB), exonerou a sua vice prefeita, Hortência Regalado (PSDB) do cargo que ocupava como Chefe de Gabinete.

O ato está relacionado ao cargo de professor que fora ocupado por Hortência, ao ser chamada pelo Estado para lecionar.

O substituto ainda não foi definido.

[política] Cunha diz que delação de Joesley é mentirosa


Personagem da conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, dono da JBS, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou ter seu silêncio comprado. “Estou exercendo o meu direito de defesa e não estou em silêncio e tampouco ficarei”, escreveu o deputado cassado, em carta divulgada por seu advogado.

[política] No Congresso, 1 em cada 3 eleitos teve dinheiro da JBS

O dinheiro da JBS, principal conglomerado brasileiro do setor de carnes, ajudou a eleger um em cada três dos integrantes da Câmara e do Senado. O grupo foi o principal financiador privado de candidatos na eleição de 2014.


[esporte] América-RN estreia bem e vence Murici na Arena das Dunas


A estreia da Série D do Campeonato Brasileiro foi como o torcedor do América-RN sonhou. O Mecão jogou bem, teve uma apresentação muito convincente e goleou o Murici por 3 a 0 na Arena das Dunas, em Natal.

Os gols alvirrubros foram do lateral-esquerdo Danilo, do centroavante estreante Lucão e o meia Geovani, no fim do jogo. Com o resultado, o Alvirrubro assume a liderança do grupo A9 da competição, mesmo com a vitória do Jacobina por 2 a 1 sobre o Sergipe.

[justiça] TJRN determina que Estado pague militares até o último dia de cada mês

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) determinou que o Estado realize o pagamento de todos os subtenentes e sargentos da Polícia Militar e Bombeiros Militares do RN até o último dia de cada mês. De acordo com a decisão, os valores devem ser corrigidos monetariamente, caso o pagamento se efetive além desse prazo.

A decisão foi por unanimidade de votos do pleno do TJRN. A determinação parte do julgamento do mandado de segurança com liminar que teve a relatoria do desembargador Amílcar Maia, de autoria Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais Militares e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBM/RN), que representou os servidores judicialmente.

A decisão da Corte excluiu do seu alcance os servidores policiais militares inativos ou da reserva remunerada, assim como os beneficiários de pensão previdenciária porque não constava o presidente do IPERN como réu da ação, na condição de autoridade coatora.

No mandado de segurança, a ASSPMBM/RN afirmou que é fato público e notório o contínuo atraso nos pagamentos dos vencimentos dos servidores públicos estaduais ativos, inativos e pensionistas, por parte do governo do Estado.

Defendeu a entidade que o Estado do RN vem descumprindo reiteradamente, mês a mês, as diretrizes da Constituição Estadual que assegura aos servidores o pagamento dos seus vencimentos até o último dia de cada mês, corrigindo-se monetariamente os seus valores, no caso do pagamento se dar além desse prazo.

sábado, 20 de maio de 2017

[política] Temer e Aécio agiam juntos para impedir avanço da Lava Jato, diz Janot

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirma que o presidente Michel Temer e o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) agiram "em articulação" para impedir o avanço da Lava Jato. A afirmação consta da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin que determinou a abertura de inquérito para investigar Temer, Aécio e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) por corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa.

O inquérito está relacionado ao acordo de delação de executivos do frigorífico JBS. A decisão foi divulgada nesta sexta (19).

"Além disso, verifica-se que Aécio Neves, em articulação, dentre outros, com o presidente Michel Temer, tem buscado impedir que as investigações da Lava Jato avancem, seja por meio de medidas legislativas, seja por meio de controle de indicação de delegados de polícia que conduzirão os inquéritos", afirma Janot.

"Desta forma, vislumbra-se também a possível prática do crime de obstrução à Justiça", completa o procurador-geral da República.

No pedido para investigar Temer e Aécio, a procuradoria afirma que o senador teria "organizado uma forma de impedir que as investigações [da Lava Jato] avançassem por meio da indicação de delegados que conduziriam os inquéritos, direcionando as distribuições."

[política] Peritos veem cortes na gravação de Joesley com Temer

Gravação feita pelo delator Joesley Batista, da JBS, da conversa que ele teve com o presidente Temer, no Palácio do Jaburu, no dia 7 de março, será um dos pontos mais discutidos durante a investigação autorizada pelo Supremo Tribunal Federal contra o presidente da República. O áudio foi entregue pelo empresário à Procuradoria Geral da República dentro de um acordo de delação premiada. Os jornais "Folha de S.Paulo" e "O Estado de S. Paulo" deste sábado trazem reportagens ouvindo peritos sobre o áudio da conversa do delator com o presidente.

Os peritos detectaram o que classificam de interrupções ou edições. Um deles diz que não é possível afirmar o que as provocou, se defeito no gravador ou outro motivo.

Os peritos ressalvam que não há sinais de mudança na parte fundamental da gravação: quando Joesley diz que zerou suas pendências com Eduardo Cunha e ficou de bem com o ex-deputado preso em Curitiba, ouvindo em outro trecho, a seguir, o presidente incentivar, dizendo “isso tem que continuar, viu”. Para o perito ouvido pela "Estadão", o mesmo ocorre na parte em que o presidente Temer ouve de Joesley que está manipulando a Justiça.

A reportagem da "Folha" diz que o áudio entregue por Joesley tem cortes, segundo um perito contratado pelo jornal.

A "Folha" afirma que “a perícia concluiu que a gravação sofreu mais de 50 edições”. O laudo foi feito por Ricardo Caires dos Santos, perito judicial pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Ao jornal, ele disse que o áudio tem “indícios claros de manipulação, mas "não dá para falar com que propósito". Em entrevista à "Folha", outro perito, Ricardo Molina, declarou que a gravação é de baixa qualidade técnica e diz que “percebem-se mais de 40 interrupções, mas não dá para saber o que as provoca. Pode ser um defeito do gravador, pode ser edição, não dá para saber", diz Molina.

Ainda segundo a reportagem da "Folha de S.Paulo", “no momento mais polêmico do diálogo, quando, segundo a PGR, Temer dá anuência a uma mesada de Joesley a Cunha, a perícia feita por Ricardo Caires dos Santos não encontrou edições. O trecho, no entanto, segundo o perito, apresenta dois momento incompreensíveis, prejudicados por ruídos.

O jornal "O Estado de S. Paulo" também aborda o tema, na edição deste sábado, com um perito que diz que “detecta 14 'cortes' em áudio de conversa entre Temer e empresário, mas que, segundo o jornal, também “não vê, no entanto, 'fragmentações' no intervalo em que Eduardo Cunha é citado”. Ao "Estadão", o perito Marcelo Carneiro de Souza disse que “os 14 trechos em que o perito encontrou possíveis edições estão entre o 14º minuto e o 34º minuto do áudio. Essa parte da gravação não inclui o trecho em que Joesley fala que está segurando dois juízes e um procurador. Essa parte da gravação foi confirmada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, no próprio dia em que o áudio veio a público, em nota afirmando que "o presidente Michel Temer não acreditou na veracidade das declarações. O empresário estava sendo objeto de inquérito e por isso parecia contar vantagem". Segundo a nota, "o presidente não poderia crer que um juiz e um membro do Ministério Público estivessem sendo cooptados".

O presidente Temer encaminhou a gravação que Joesley fez da conversa com ele para o serviço de inteligência da Presidência da República. Ele quer saber se o material gravado está íntegro ou tem cortes. Em nota oficial, a Procuradoria-Geral da República informou que foi feita uma avaliação técnica da gravação da conversa do dono da JBS com o presidente Temer e concluiu que o áudio revela uma conversa lógica e coerente. E que a gravação anexada ao inquérito do STF é exatamente a entregue pelo colaborador. E que sua integridade poderá ser verificada no processo.

[política] Joesley pediu ‘pelo amor de Deus’ para Aécio parar de pedir dinheiro

Em depoimento à Procuradoria-Geral da República no âmbito de sua delação premiada, o empresário Joesley Batista disse que em 2016 chegou a pedir para um preposto do senador Aécio Neves (PSDB-MG) que pelo amor de Deus ele parasse de pedir dinheiro.

“Em 2016, um dia na casa dele ele me pediu 5 milhões e eu não dei. Logo depois começou (sic) as investigações contra mim e eu chamei aquele amigo dele, Flávio, e pedi pro Flávio para pedir a ele para, pelo amor de Deus, parar de me pedir dinheiro”, disse Batista.

A afirmação foi feita quando o empresário passou a descrever pagamentos feitos por ele ao senador tucano. Joesley iniciou o tópico “Aécio” descrevendo que conheceu o senador durante a campanha de 2014. “Fomos o maior doador da campanha dele”, disse

O empresário relatou que já no ano seguinte à eleição, Aécio continuou pedindo dinheiro com a justificativa de que era para arcar com dívidas de campanha.

Ele descreveu o repasse de R$ 17 milhões ao senador por meio da compra superfaturada de um prédio em Belo Horizonte, de propriedade de um aliado do senador.

“Precisava de R$ 17 milhões e tinha um imóvel que dava para fazer de conta que valia R$ 17 milhões”, disse. Segundo o empresário foi Aécio quem indicou o imóvel.

Questionado por um procurador se tratava-se de um superfaturamento do imóvel para justificar esse repasse de dinheiro, o empresário disse: “Sem dúvida. Não estávamos atrás de comprar um prédio em Belo Horizonte.”

Fonte: Agência Estado

[polícia] Jovem de apenas 21 anos é encontrado morto a tiros em Apodi


Na manhã deste sábado (20), populares que residem nas proximidades da Barragem Júlio Marinho, em Apodi, também conhecida como Barragem do Poço Vermelho, encontraram um corpo com marcas de tiros. Trata-se do jovem Romério da Silva Lima, de 21 anos.

Segundo testemunhas, o crime teria sido registrado ainda na noite de sexta-feira (19), quando foram ouvidos vários disparos de arma de fogo na localidade, entretanto, o cadáver só foi encontrado no dia seguinte.

A Polícia Militar foi acionada para fazer o isolamento do corpo até a chegada do ITEP.

[política] Delator diz que dinheiro da JBS irrigou 1.829 candidatos de 28 partidos

O diretor da JBS Ricardo Saud traçou, em delação premiada, um verdadeiro inventário da propina, com listagem de doações que somam quase R$ 600 milhões para 1.829 candidatos de 28 partidos das mais variadas colorações. Saud detalha que a empresa conseguiu eleger 179 deputados federais de 19 siglas, bancou 28 senadores da República e fez 16 governadores. Apesar do extensa lista de políticos beneficiados, entregue por ele ao MPF, há muitos repasses de valores baixos como R$ 84 e R$ 200.

Ele alerta o procurador, no depoimento filmado, que praticamente “tudo é propina”, exceto a quantia ínfima de R$ 15 milhões diante do total de quase R$ 600 milhões. A listagem com valores, cargos, partidos, entre outras informações, foi entregue por Saud aos investigadores: “Estas pessoas estão cientes disso”

Quando o depoimento já estava sendo finalizado, o executivo pede a palavra:

— É importante a gente trabalhar que desses R$ 500 milhões, quase R$ 600 milhões que estamos falando aqui, praticamente, tirando esses R$ 10, R$ 15 milhões aqui, o resto tudo é propina. Tudo tem ato de ofício, tudo tem promessa, tudo tem alguma coisa. Então eu gostaria de deixar registrado que nós demos propina para 28 partidos. Esse dinheiro foi desmembrado para 1.829 candidatos. Eleitos foram 179 deputados estaduais de 23 estados, 167 deputados federais de 19partidos. Demos propina para 28 senadores da República, sendo que alguns disputaram e perderam eleição para governadores e alguns disputaram a reeleição ou eleição para o Senado. E demos propina para 16 governadores eleitos, sendo quatro do PMDB, quatro do PSDB, 3 do PT, 2 do PSB, 1 do PP, 1 do PSD. Foi um estudo que eu fiz, por conta minha (…) Acho que no futuro vai servir. Aqui estão todas as pessoas que receberam propina diretamente ou indiretamente da gente.

— Eu falo direta ou indiretamente pelo seguinte: é muito difícil o cara não estar sabendo que o PT comprou o partido X ou deixou de comprar o partido Y, que o Aécio comprou o partido X ou deixou de comprar o partido Y. Se ele recebeu esse dinheiro, ele sabe de um jeito ou de outro (que) foi de propina. Essas pessoas estão cientes disso — afirmou Saud.

Fonte: O Globo

sexta-feira, 19 de maio de 2017

[política] Delator afirma que Robinson e Fábio Faria receberam R$ 10 milhões da JBS


Em delação firmada com o Ministério Público Federal (MPF), o ex-diretor de relações institucionais da J&F Ricardo Saud disse que a empresa pagou R$ 10 milhões ao governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), e ao filho dele, o deputado federal Fábio Faria (PSD) em 2014. Em troca, os dois políticos teriam firmado o compromisso de privatizar a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern), além de facilitar a participação da J&F na privatização da estatal. J&F é o grupo que controla a empresa JBS.

"Eles procuraram a gente, nós fizemos um jantar na casa do Joesley. Nós não tínhamos nada no Rio Grande do Norte, mas nós estávamos montando uma empresa de concessão de águas e esgotos. (...) E lá nós falamos com eles que nós temos interesse muito grande desde que você privatize - nós já tínhamos feito um estudo mais ou menos das empresas que estavam quebradas, assim, de companhia de água e esgoto, que a gente poderia comprar, desde que nós participássemos do edital pra facilitar porque senão ninguém concorria com a OAS e com a Odebrecht Ambiental, era impossível isso. Porque o mesmo dinheiro que tomou da gente tomou das outras duas também falando que ia vender a água e esgoto", disse Ricardo Saud ao MPF.

O executivo diz ainda que, após a eleição, o grupo vai indicar um secretário de estado para "acompanhar tudo de perto".

Segundo ele, parte do dinheiro foi pago como doação de campanha diretamente ao PSD, partido de Robinson e Fábio. Outra parte teria sido paga em "dinheiro vivo" e o restante através de notas fiscais. Ele chegou a detalhar como foi feito o pagamento de R$ 6,1 milhões. O delator disse que foram pagos R$ 1 milhão no dia 3 de outubro de 2014 "carimbado" ao PSD; R$ 1 milhão no dia 17 de outubro de 2014 também ao PSD nacional; R$ 2 milhões em notas fiscais avulsas em 9 de setembro de 2014; R$ 1,2 milhão no dia 22 de agosto de 2014 a um escritório de advocacia; e outros R$ 957.054 foram obtidos em um supermercado em Natal. Segundo o Ricardo Saud, o próprio deputado federal Fábio Faria foi buscar esse último montante.

Em nota conjunta, Robinson Faria e Fábio Faria informaram que conheceram a JBS no período eleitoral e confirmam que receberam "doações da empresa citada, somente durante o período de eleições, oficialmente, legalmente, devidamente registradas na Justiça Eleitoral e sem qualquer contrapartida nem ato de ofício". A nota ressalta ainda que Robinson Faria "não pretende e nem irá privatizar a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern)".

[política] VÍDEO: Delator diz que mandou R$ 500 mil em propina do PT para a Senadora Fátima Bezerra



[política] Em transcrição de áudio da PF, Aécio pede ajuda a Gilmar Mendes sobre lei de abuso de autoridade

A Polícia Federal apresentou registros de uma conversa telefônica entre o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) combinando supostas articulações para a tramiação do projeto de lei que endurece as punições para autoridades que cometem abuso. A gravação foram feitas, segundo a PF, dentro das investigações da Operação Patmos, que tem como foco endereços e pessoas ligadas a Aécio no Rio, em Brasília e em Belo Horizonte.

O projeto foi aprovado pelo Senado Federal no fim da tarde do dia 26 de abril. Na manhã do mesmo dia, a Polícia Federal gravou uma chamada telefônica feita por Aécio Neves para Gilmar Mendes, na qual Aécio pede a ajuda do ministro do STF para convencer o senador Flexa Ribeiro (PSDB/PA) a acompanhar o voto de Aécio. O objetivo, segundo afirmou Aécio na conversa, é “dar uma satisfação para a bancada”.

Leia a nota divulgada na tarde desta sexta-feira (19) pelo ministro Gilmar Mendes: “Desde 2009 o ministro Gilmar Mendes sempre defendeu publicamente o projeto de lei de abuso de autoridade, em palestras, seminários, artigos e entrevistas, não havendo, no áudio revelado, nada de diferente de sua atuação pública. Os encontros e conversas mantidas pelo ministro Gilmar Mendes são públicos e institucionais.”

A chamada começou às 9h29 e durou um minuto e 36 segundos. Leia a transcrição completa feita pela Polícia Federal:

Aécio Neves: Oi, Gilmar. Alô.
Gilmar Mendes: Oi, tudo bem?
Aécio: Você sabe um telefone que você poderia dar que me ajudaria na condução lá. Não sei como é sua relação com ele, mas ponderando… Enfim, ao final dizendo que me acompanhe lá, que era importante… Era o Flexa, viu? [Aécio se referia ao senador Flexa Ribeiro]
Gilmar: O Flexa, tá bom, eu falo com ele.
Aécio: Porque ele é o outro titular da comissão, somos três, sabe?… Né…
Gilmar: Tá bom, tá bom. Eu vou falar com ele. Eu falei… Eu falei com o Anastasia e falei com o Tasso… Tasso não é da comissão, mas o Anastasia… O Anastasia disse “Ah, tô tentando… [incompreensível]…” e…
Aécio: Dá uma palavrinha com o Flexa… A importância disso e no final dá sinal para ele porque ele não é muito assim… De entender a profundidade da coisa… Fala ó… Acompanha a posição do Aécio porque eu acho que é mais serena. Porque o que a gente pode fazer no limite? Apresenta um destaque para dar uma satisfação para a bancada e vota o texto… Que vota antes, entendeu?
Gilmar: Unhum.
Aécio: Destaque é destaque é destaque… Depois não vai ter voto, entendeu?
Gilmar: Unhum. Unhum.
Aécio: Pelo menos vota o texto e dá uma…
Gilmar: Unhum.
Aécio: Uma satisfação para a ban… Para não parecer que a bancada foi toda ela contrariada, entendeu?
Gilmar: Unhum.
Aécio: Se pudesse ligar para o Flexa aí e fala…
Gilmar: Eu falo pra com ele… E falo com ele… Eu ligo pra ele… Eu ligo pra ele agora.
Aécio: …[incompreensível]… importante
Gilmar: Ligo pra ele agora.
Aécio: Um abraço.

Logo em seguida, às 9h31, Aécio liga para o senador Flexa Ribeiro e mantém a seguinte conversa, que durou 45 segundos:

Aécio Neves: Um amigo nosso em comum que você vai ver quem é… Está tentando te ligar… Aí você atende ele, tá? Um cara importante aí que você vai ver que é.
Flexa Ribeiro: Tá bom.
Aécio Neves: …[incompreensível]… no seu gabinete para fazer umas ponderações, aí você encontra comigo, tá bom?
Flexa Ribeiro: Tá ok então, um abraço.
Aécio Neves: …[incompreensível]… na CCJ.
Flexa Ribeiro: Então tá.

Fonte: G1

[política] JBS ajudou a financiar campanhas de 1.829 candidatos de 28 partidos

Apostando em um futuro bom relacionamento com prováveis candidatos que fossem eleitos em 2014, a J&F (holding controladora do grupo JBS) destinou mais de R$ 500 milhões para ajudar a eleger governadores, deputados estaduais, federais e senadores de todo o país, segundo os delatores.  Em um dos depoimentos que prestou ao Ministério Público Federal (MPF), com quem firmou acordo de delação premiada já homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o diretor de Relações Institucionais e Governo da J&F, Ricardo Saud, entregou um levantamento detalhado em que aponta todos os candidatos financiados pela empresa.

De acordo com Saud, o total em dinheiro repassado por meio de “pagamentos dissimulados” alimentou as campanhas de 1.829 candidatos. Destes, 179 se elegeram deputados estaduais em 23 unidades da federação e 167, deputados federais por 19 partidos.

O delator não deixa claro quais pagamentos foram feitos via caixa 2 e quais foram doações oficiais. No depoimento, divulgado após a retirada do sigilo da delação, ele dá a entender que os valores citados se referem apenas às campanhas de 2014. Em outro depoimento, o dono da JBS, Joesley Batista, também afirmou que a maioria das doações feitas pela empresa tratava-se de propina disfarçada por contrapartidas recebidas.

“Doamos propina a 28 partidos”, contou Saud, admitindo que os mais de R$ 500 milhões destinados a agentes públicos para as eleições de 2014 formavam um “reservatório de boa vontade”. “Era para que eles não atrapalhassem a gente", afirmou.

O delator cita ainda que foram distribuídas "propina para 16 governadores eleitos e para 28 candidatos ao Senado que disputavam a eleição, a reeleição ou a eleição para governador”, acrescentou. Segundo ele, os governadores eleitos pertenciam ao PMDB (4), PSDB (4), PT (3), PSB (3), PP (1) e PSD (1).

Ao entregar a documentação aos procuradores, Saud enfatizou a importância do “estudo” que fez por sua própria conta. “Acho que, no futuro, isso aqui vai servir. Aqui estão todas as pessoas que direta ou indiretamente receberam propina da gente.” Os documentos liberados pelo STF não trazem a lista de todos os nomes que fariam parte deste levantamento aponta por Saud.

[cotidiano] 'Viúva negra' é condenada pelo assassinato do quinto companheiro no RN

 Maria Nazaré Felix de Lima foi condenada a 7 anos de prisão (Foto: Portal 190rn)
Maria Nazaré Félix de Lima, conhecida como 'viúva negra', foi condenada nesta quinta-feira (18) pelo assassinato do quinto companheiro. O crime aconteceu no dia 26 de julho de 2015, no município de Ielmo Marinho, na Grande Natal. Maria foi condenada a sete anos de prisão em regime fechado por homicídio simples.

De acordo com o depoimento da acusada à polícia, ela matou o companheiro Francisco Garcia da Silva, o 'Tico', em 2015, a pauladas. Ela disse ainda que cometeu o crime porque o companheiro batia nela.
Fonte: G1RN

[polícia] Boca de fumo é assaltada na Baixada Fluminense

É em momentos como este que vemos que a coisa está mesmo feia. Na comunidade de São Simão, em Queimados, município da Baixada Fluminense, uma boca de fumo foi assaltada. É isso mesmo. Os relatos, que começaram via internet e foram publicados mais tarde no jornal Destaque da Baixada, são de que um casal em um carro teria parado na boca de fumo no começo da tarde do último domingo (14) e anunciado o assalto a um dos traficantes.


Não chegaram a mostrar armas, mas o rapaz entregou toda a carga da boca de fumo para o casal de carro, que fugiu sem deixar pistas. O tráfico local é liderado pela facção criminosa Comando Vermelho, que virou piada local nas redes sociais. Não tá fácil pra ninguém mesmo, é oficial.
Fonte: Surrealista

[educação] Candidatos têm até hoje para se inscrever no Enem

Hoje (19) é o último dia de inscrição para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os interessados têm até as 23h59, no horário de Brasília, para se inscrever pela internet, no site do Enem. Aqueles que já fizeram a inscrição têm até o fim do prazo para fazer alguma alteração no cadastro, como por exemplo, a cidade em que desejam fazer as provas.

Até a noite de ontem (18), segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 5,62 milhões haviam concluído a inscrição. A expectativa é que os inscritos cheguem a 7 milhões. As provas serão aplicadas em dois domingos consecutivos, nos dias 5 e 12 de novembro.

Para concluir a inscrição, o candidato deve pagar a taxa de R$ 82. O prazo para pagamento vai até o dia 24 deste mês. Pelas regras do edital, estão isentos da taxa os estudantes de escolas públicas que concluirão o ensino médio este ano, os participantes de baixa renda que integram o Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) e os que se enquadram na Lei 12.799/2013 que, entre outros critérios, isenta de pagamento aqueles com renda igual ou inferior a um salário mínimo e meio, ou seja, R$ 1.405,50.

Os candidatos que solicitarem algum atendimento especializado ou específico, além da isenção da taxa do exame, deverão estar atentos aos documentos comprobatórios. Este ano, serão exigidos laudos médicos, que deverão ser enviados em formato digital pelo próprio sistema, além de outras informações, como o Número de Identificação Social (NIS), que comprove que o participante integra o CadÚnico.

O atendimento especializado é concedido àqueles que comprovarem, por informação do código de Classificação Internacional de Doenças (CID) e inserção de laudo médico, condições de autismo, baixa visão, cegueira, deficiência física, deficiência intelectual/mental, déficit de atenção, discalculia, dislexia, surdez, deficiência auditiva, surdocegueira e visão monocular.

Já o Atendimento Específico é garantido a gestantes, lactantes, idosos, estudantes em classe hospitalar e, a partir de 2017, a outras condições específicas, para as quais deverá ser informado o CID. Um exemplo são os participantes diabéticos que usem bomba de insulina.

O resultado das provas poderá ser usado em processos seletivos para vagas no ensino público superior, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para bolsas de estudo em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Em caso de problema na hora da inscrição, os candidatos podem ligar para o Inep pelo telefone 0800 616161. O atendimento é das 8h às 20h, no horário de Brasília.

[política] Janot acusa Temer de corrupção, obstrução de Justiça e organização criminosa

No pedido de abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer, o procurador-geral da República Rodrigo Janot acusa o mandatário número um do país de envolvimento com pelo menos três crimes : corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa. O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), considerou os indícios levantados pelo procurador-geral consistentes e autorizou a abertura de investigação contra Temer.

“Os elementos de prova revelam também que alguns políticos continuam a utilizar a estrutura partidária e o cargo para cometerem crimes em prejuízo do Estado e da sociedade. Com o estabelecimento de tarefas definidas, o núcleo político promove interações diversas com agentes econômicos, com o objetivo de obter vantagens ilícitas, por meio da prática de crimes, sobretudo com corrupção. Há, pois, também o indicativo da prática do delito organização criminosa previsto na lei 12.850/2013”, afirma Janot.

O empresário Joesley Batista, dono da JBS, entregou ao Ministério Público (MP) gravação em que o presidente dá aval para o empresário comprar, com mesadas, o silêncio do ex-presidente da Câmara, o deputado cassado Eduardo Cunha.

O pedido de abertura de inquérito foi feito a partir da delação premiada dos donos do grupo JBS. Eles revelaram que Temer deu aval para a propina paga ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – que, em troca, não revelaria nada em delação.

Pela Constituição, o presidente da República não pode ser responsabilizado por atos cometidos antes do exercício do mandato. Como os fatos delatados teriam ocorrido depois de Temer ter assumido a presidência da República, não haveria impedimento legal para o início das investigações.

FACHIN NEGA PRISÃO DE AÉCIO

Em decisão nesta quinta-feira, Fachin negou pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para prender o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Ao contrário da expectativa que se criou nesta quinta-feira, o caso não deverá ser levado ao plenário do tribunal.

Na mesma decisão, o ministro afastou o parlamentar de suas funções, mas o manteve no cargo. Ou seja, o tucano poderá frequentar o Congresso Nacional, mas não está autorizado a votar, por exemplo.

Fonte: O Globo

[política] PF interceptou conversas telefônicas de Temer e de Gilmar Mendes

O STF liberou no início da tarde desta sexta-feira (19) os vídeos (assista aqui) e os documentos da delação do empresário Joesley Batista, dono da J&F, empresa que controla o frigorífico JBS.

Na delação, Joesley Batista afirmou à Procuradoria que seu grupo pagou R$ 500 milhões em doações eleitorais a políticos nos últimos 15 anos. O empresário disse ainda que a pedido de Temer aceitou fazer pagamentos totais de R$ 4,7 milhões, de 2010 a março de 2017.

PF interceptou conversas telefônicas de Temer e de Gilmar Mendes

Com ordens judiciais emitidas pelo STF (Supremo Tribunal Federal) na Operação Patmos, a Polícia Federal interceptou pelo menos uma conversa telefônica entre o presidente Michel Temer e seu ex-assessor e homem de confiança, o atual deputado federal Rodrigo Loures (PMDB-PR) –flagrado recebendo R$ 500 mil

Na conversa, Temer fala com Loures sobre uma expectativa que o deputado federal tinha a respeito de novas regras para o setor de portos. Outra ligação interceptada ocorreu entre o ministro do STF, Gilmar Mendes, e o senador Aécio Neves (PSDB). Segundo o relatório policial sobre essa conversa, ocorrida no dia 26 de abril, Aécio “pediu ao ministro [Mendes] para que telefonasse para o senador Flexa Ribeiro.

Nesse diálogo, o senador investigado [Aécio] pede que o magistrado converse com Flexa Ribeiro para que este siga a orientação de voto proposta por Aécio”. A referência é à votação do projeto que tratava de “abuso de autoridade” em discussão no Congresso Nacional.

Os documentos revelam que os aparelhos telefônicos de Aécio e de Loures estavam sob interceptação judicial –ou seja, os grampos não ocorreram nos telefones de Gilmar Mendes e de Michel Temer. Relatórios sobre essas ligações constam de documentos liberados por ordem do ministro do STF, Edson Fachin, nesta sexta-feira (19).

Fonte: Folha de São Paulo

[política] Delatores da JBS relatam pagamentos de US$ 80 mi em propina para Lula e Dilma; Guido Mantega, o intermediário

Delatores do grupo JBS, o empresário Joesley Mendonça Batista e o diretor de Relações Institucionais, Ricardo Saud, relataram pagamentos de US$ 80 milhões em propina “em favor” dos ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, “mediante depósitos em contas distintas no exterior”.

As informações constam em despacho do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte. Segundo o relato, Lula teria recebido “vantagens indevidas” na ordem de US$ 50 milhões. Já Dilma ,seria a destinatária de US$ 30 milhões.

O ex-ministro Guido Mantega, que atuou nos governos Lula e Dilma, atuaria como intermediário dos pagamentos. Os negócios seriam realizados no âmbito do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), da Petros (Fundação Petrobras de Seguridade Social) e da Funcef (Fundação dos Economiários Federais), “com objetivo de beneficiar o grupo empresarial JBS.

Fachin ainda relata que, segundo os colaboradores, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto “solicitou a Joesley Batista a disponibilização de uma conta bancária no exterior para o depósito de valores, com a abertura de uma planilha de conta corrente para que os pagamentos fossem realizados mediante (a) notas fiscais com conteúdo e datas ideologicamente falsos; (b) em dinheiro; (c) depósitos em contas no exterior; (d) doações eleitorais dissimuladas”.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também relatou, de acordo com o despacho de Fachin, que o dono do grupo JBS confessou ter repassado R$ 30 milhões ao ex-ministro Antônio Palocci, preso no âmbito da Lava Jato, a pretexto da campanha de Dilma à Presidência em 2010.

Fonte: UOL